domingo, 19 de novembro de 2017

Um Outono exótico

Estamos em novembro... Não há frio... Não há chuva...

Estamos em novembro... O sol aquece a alma e dá vontade de passear e sentir o calorzinho no rosto.

O mundo apela...

Uma parte de nós goza o sol e pede mais... mas a razão pede, implora chuva.

Algum nativo indígena poderia partilhar a dança da chuva!!!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

E tu mãe?

Na altura em que questiono tudo.

Na altura em que pouco me parece certo.

Na altura menos boa, surge a pergunta...

E tu, mãe? Queres ter mais filhos? Eu gostava de ter uma mana!

E tu, mãe? Queres? Gostarias?

Querer... Gostar... Ter coragem... Ser acertado...

domingo, 5 de novembro de 2017

Apalpar o c* às pinhas

Às vezes, o simples equilibra a vida. 

Às vezes, basta um momento. 

Às vezes, é bom alimentar tradições. 

Às vezes, só damos valor quando perdemos...



Às vezes, é bom dar-lhes a liberdade e vê-los ser felizes.

Às vezes, é bom ensinar no terreno; deixar os livros e ver tudo o que a vida nos dá...


E é sempre tão bom ver o mundo pelos olhos deles. A inocência, a simplicidade, a curiosidade... A falta de interesses nefastos... A alegria de quem corre sem medo, em busca do mundo! O verde... tudo tão verdinho... Tudo tão bom!


Às vezes, é bom "subir aos pinheiros e apalpar o cú às pinhas"!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

A origem dos bebés

A inocência das crianças torna tudo mais doce, mesmo quando nem sempre deixa ver a realidade como ela é.

Conversa, puxa conversa e chegamos à conversa sobre a origem dos bebés. Nunca houve uma conversa muito científica e, aos 6 anos, vamos ficando por uma teoria sobre sementes que se desenvolvem nas barrigas das mães.

E, hoje, fiquei a saber que só as pessoas simpáticas têm bebés. É só às mães simpáticas que Deus coloca uma ervilha na barriga e, depois, nasce um bebé...

E, como eu sou simpática, tive direito a duas ervilhas (palavras da princesa).

Era tão bom que a vida fosse assim... Quantas mães simpáticas não recebem a sua ervilha e, pelo contrário, há tantas que não valorizam a ervilha que recebem.

Assim, agradeço a inocência dela e as minhas duas preciosas ervilhas!


quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Terrible two!!!

Chegaram de forma intempestiva, levando tudo e todos à sua frente.

O anjo de caracóis dourados e olhar inocente, com ar de quem não parte um prato revelou-se.

Chegou o sorriso maroto e desafiador, o olhar reguila e a teimosia... Socorro!! Ai a teimosia!!

Ele desafia. Ele grita. Ele bate. Ele morde.

Terríveis dois, apesar de fase fundamental na formação da personalidade da cria, não és bem vinda!

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Portugal ardeu...

Portugal ardeu...

porque os Homens assim o quiseram;

porque deu jeito a meia dúzia de almas;

porque inconsequentes continuam a não querer dar ouvidos ao planeta Terra;

porque anos após anos, partidos após partidos, os interesses económicos prevaleceram.

Portugal ardeu e arderá novamente,

porque ninguém "os tem no sítio" para enfrentar interesses e defender o nosso verde;

porque haverá sempre quem queira protagonismo com o mal dos outros;

porque as diferenças são maiores que este interesse comum e não permitem a união de quem nos representa;

porque o interesse económico e pessoal prevalece face à vida.

Portugal está a perder a sua alma verde.

Portugal está triste.

Portugal está cansado de discursos, de medo, de ganância, de fraqueza, de falta de audácia.

Portugal quer vida. Portugal quer verde. 

domingo, 15 de outubro de 2017

De fardo a bênção

A vida é tortuosa. Por vezes, é madrasta. Outras, é irónica. Mas no fundo, a vida é uma dádiva. 

Olhamos para o lado e vemos o que queremos ver. Desviamos o olhar ou observarmos. Refletimos e agradecemos.

A vida é danada. A vida dá os fardos a quem os consegue carregar ou dá as dádivas disfarçadas e ensina-nos a agradecer e encontrar a felicidade no pesadelo.

E, quando menos esperamos, a vida mostra-nos que o pesadelo pode ser um sonho; a imperfeição pode ser um tesouro; o sonho pode ser perfeito na sua completa impossível imperfeição.

Três... sonhos, pesadelos, ilusões, criações... amor.